TER, 16 de Maio, 18h30 // Exibição do Documentário #Resistência

Na semana em que o afastamento de Dilma Rousseff completa um ano, a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta e a Universidade Feminista organizam uma sessão de exibição no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) em Lisboa, Alcântara, do recém-lançado documentário brasileiro #Resistência, na próxima 3.ª feira, 16 de Maio às 18h30.

O filme, de 55 minutos, conta a história das ocupações político-culturais que ocorreram em todo país, imediatamente após a votação ocorrida na Câmara dos Deputados, que consagrou o golpe de Estado de 2016 com a votação que ditou o afastamento da primeira mulher eleita presidenta do Brasil, Dilma Rousseff.

#Resistência seguiu durante meses as manifestações e os movimentos de ocupação de edifícios públicos pela exigência de direitos constitucionais (como cultura, educação, igualdade de género e democratização dos media) de resposta a este processo do golpe, que culminou com o impeachment de Dilma Rousseff e seu vice, Michel Temer, tomando posse como presidenta do Brasil.

Entrada livre.

Evento: Exibição do Filme #Resistência no CCIF/UMAR

#ForaTemer #FeministasContraoGolpe

 

Anúncios

QUA, 15 de Outubro, 18h30 // Apresentação do livro “Mulheres contra a Ditadura” de Cecília Honório

Na próxima 4ª FEIRA, 15 de OUTUBRO pelas 18H30, terá lugar no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) a apresentação do livro “AS MULHERES CONTRA DITADURA” da historiadora e deputada CECÍLIA HONÓRIO, com a participação da autora.

É preciso dizer que estas mulheres existiram, contavam e correram imensos riscos – Cecília Honório.

Sinopse:
Este trabalho destina-se a dar visibilidade às raparigas do Movimento de Unidade Democrática Juvenil (MUDJ, 1946-1957), que arriscaram, estiveram presas, leram livros proibidos, recrutaram, discursaram, militaram nas campanhas, discutiram animadamente nos cafés, e desafiaram até a moral e os bons costumes do tempo, com a sociabilidade mista, que juntava raparigas e rapazes nos passeios no campo, nos piqueniques, ou cantando Lopes Graça. Vai à procura das que começaram a sua vida política no MUDJ e das muitas que passaram da luz à sombra, mesmo quando não desistiram de lutar contra a ditadura.

MulheresContraaDitadura

Partilhamos aqui a entrevista de Nuno Ramos da Almeida a Cecília Honório publicada no Jornal I a 29/09/2014:
http://www.ionline.pt/artigos/liv/ceclia-honrio-preciso-dizer-estas-mulheres-existiram-contava

Contamos com a tua presença no dia 15 de Outubro às 18h30 no CCIF/UMAR!

Hoje e amanhã no CCIF/UMAR…

Lembramos que hoje (21 de Maio 18h30) e amanhã (22 de Maio 18h30), o Centro de Cultura e Intervenção Feminista CCIF/UMAR (Lisboa, Alcântara) receberá duas actividades imperdíveis!

4ª FEIRA, 21 de Maio, 18h30 // “A dominação pelo trabalho em espaço privado: diálogo com memórias de vida”

3ª sessão do 5º ciclo da Universidade Feminista, com as comunicações de:
– INÊS BRASÃO: doutorada em sociologia, propõe falar “da dominação pelo trabalho em espaço privado: diálogo com memórias de vida”
– MANUEL ABRANTES: está a concluir o doutoramento em sociologia económica e das organizações e articula “trabalho doméstico e feminismo: contributos de uma pesquisa empírica na área de Lisboa”.

inscrições para: universidadefeminista@gmail.com

inscrições para universidadefeminista@gmail.com

5ª FEIRA, 22 de Maio, 18h30 // Exibição do filme “Que bom te ter viva” de Lúcia Murat e debate com Heliana Bibas e Sílvia Montarroyos // … Para não esquecer a luta das mulheres contra a ditadura militar no Brasil

mulheres contra ditadura brasil

No âmbito do 50º aniversário do golpe militar no Brasil de 1964, o Centro de Cultura e Intervenção Feminista pretende assinalar e reforçar o papel das mulheres brasileiras na luta contra a ditadura militar, exibindo o premiado filme “QUE BOM TE TER VIVA” (1989), de Lúcia Murat, seguindo-se um debate com as ex-resistentes HELIANA BIBAS e SÍLVIA MONTARROYOS.

Esta iniciativa à qual a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta e o Centro de Cultura e Intervenção Feminista CCIF/UMAR se juntam, integra-se na programação «Para não esquecer 1964 e a ditadura militar brasileira», organizada pelo CLEPUL-FLUL e a Casa do Brasil de Lisboa.

convite 22 Maio

QUI, 22 Maio, 18h30 // Cine-debate com exibição do filme “Que bom te ter viva” de Lúcia Murat

No âmbito do 50º aniversário do golpe militar no Brasil de 1964, o Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) vem assinalar e reforçar o papel das mulheres brasileiras na luta contra a ditadura militar, exibindo, na próxima 5ª feira, 22 de Maio às 18H30, o premiado filme “QUE BOM TE TER VIVA” (1989), de Lúcia Murat.

Seguir-se-á um debate com as ex-resistentes Heliana Bibas e Sílvia Montearroyos.

Esta iniciativa à qual a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta e o Centro de Cultura e Intervenção Feminista CCIF/UMAR aderem, integra-se na programação «Para não esquecer 1964 e a ditadura militar brasileira», organizada pelo CLEPUL da Universidade de Lisboa e a Casa do Brasil de Lisboa.

ENTRADA LIVRE!

Cilque na imagem para AUMENTAR
Cilque na imagem para AUMENTAR

40 anos após Abril: Memórias da Resistência e do PREC

É já amanhã, dia 9 de Abril às 18h30, que se inicia no Centro de Cultura e Intervenção Feminista o 4º ciclo da Universidade Feminista “40 anos após Abril”!

A sessão “Memórias da Resistência e do PREC” contará com a participação de:

 – Diana Andringa, jornalista;

– Isabel do Carmo, médica; 

– Irene Rodrigues, ex-livreira da Livrelco e da Opinão;

– Maria Viegas,  socióloga e ex-técnica do SAAL.

Inscrições para: universidadefeminista@gmail.com

40 anos após Abril: evoluções e continuidades

O programa do 4º ciclo da Universidade Feminista, dedicado aos 40 anos do 25 de Abril de 1974, terá quatro conferências no Centro de Cultura e Intervenção Feminista CCIF/UMAR nos dias 9, 16, 23 e 30 de Abril de 2014, sempre às 4ªas feiras, das 18h30 às 20h30. Imperdível!

Inscrições para: universidadefeminista@gmail.com

40 anos apos abril