SEG, 11 Junho, 18h00 // À Conversa com… Jorgete Teixeira

Na 2.ª feira 11 de Junho no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) teremos a oportunidade de conhecer a professora e escritora Jorgete Teixeira, a propósito do seu último livro “Mulheres à Beira de uma Largada de Pombos”. A Facilitadora será Manuela Tavares, investigadora em Estudos sobre as Mulheres e membro da direcção da UMAR.

Jorgete Teixeira _ para net

Sobre a autora: Maria Jorgete Teixeira nasceu na Huíla, Angola. Frequentou o Liceu Nacional de Vila Real e mais tarde a Faculdade de Direito de Lisboa, cujo curso não concluiu. Posteriormente licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas, na variante de Estudos Portugueses, pela Universidade Clássica de Lisboa. Foi professora dos Ensinos Básico e Secundário, tendo lecionado no Alentejo e, ultimamente, numa escola do Barreiro, cidade onde reside há 28 anos. Angolana pelo nascimento, transmontana pelas raízes, alentejana pelo coração. Cidadã, mulher e mãe, assim se assume inteira, na militância pelas causas que considera justas. A escrita surge como uma forma de responder às inquietações interiores e exteriores no eco que se reflete também nos outros. Escreve e publica nas redes sociais e em alguns jornais e revistas. Participou ainda em algumas antologias.

Evento, aqui.

Entrada livre.

Anúncios

O CCIF/UMAR fora de portas! Nos próximos dias 6, 7 e 8 de Abril em Santiago de Compostela, Galiza!

Pelo segundo ano consecutivo, o Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR),  através da nossa associação, a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta, participa na organização dos Encontros Itinerantes de Mulheres da Lusofonia. Mulheres, Territórios e Memórias. Em 2017, o I Encontro de Mulheres da Lusofonia decorreu em Vilar de Santos, concelho de Ourense (Galiza) e este ano será em Santiago de Compostela, também na Galiza.

II ENCONTRO MULHERES DA LUSOFONIA (1).jpg

As entidades organizadoras do II Encontro de Mulheres da Lusofonia: Mulheres, territórios e memórias são a Academia Galega da Língua Portuguesa, a Associação Pró-AGLP, e a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta. O encontro visa criar uma rede plural feminista de mulheres do espaço lusófono, potenciando um entrecruzamento de diálogos, de experiências e de conhecimento.

O II Encontro Mulheres da Lusofonia conta com o apoio da

  • Comissão Temática de Promoção e Difusão da Língua Portuguesa dos Observadores Consultivos da CPLP
  • Concelho de Santiago de Compostela
  • Livraria Lila de Lilith – Santiago de Compostela
  • Museu do Aljube. Resistência e Liberdade – Lisboa
  • Projeto Cárcere – Corunha/Galiza
  • Marcha Mundial das Mulheres-Galiza
  • Plataforma Feminista Galega
  • Ondjango Feminista – Angola
  • Fórum Mulher – Moçambique

O programa (infra) reflete o carácter feminista, anticolonial e internacionalista destes encontros de mulheres dos países de expressão portuguesa.

A entrada é livre, sujeita a inscrição (gratuita) para mulhereslusofonia@gmail.com

PROGRAMA:

Programa II Encontro_ final

A UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta participará no painel Entre o Ativismo e a Pesquisa. Mulheres na Resistência (com a participação do nosso projeto Memória e Feminismos e no painel Feminismos no Espaço Lusófono. Estará ainda nas mesas de abertura e de encerramento.

Mais informação em: http://www.facebook.com/mulheresdalusofonia

Contamos convosco e/ou com a vossa divulgação! Obrigada!

 

Iniciando 2015…

Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) assinala o seu 1º post de 2015 com o poema de Maria Teresa Horta, “Novo Ano”. Bom ano a todas/os!
MTH
NOVO ANO
Sempre que recomeço
eu descuro o tempo
tentando seguir o próprio passo
pelo trilho do ano
que acabou
desenredando os nósdo seu baraço

E aquilo que é futuro
à minha frente
tanto pode ser

rosa como aço

Mas ao querer entender
um outro tempo
eu entreteço

sonho, poesia, liberdade
um ano de luz
no seu começo

Maria Teresa Horta, 31 de Dezembro de 2014