CCIF/UMAR Fora de Portas // Seminário Final do Projecto da UMAR, Múltiplas Discriminações II

Convite para o Seminário Final do projecto Memória e Feminismos: Múltiplas Discriminações II, desenvolvido pela UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta com o apoio da pequena subvenção da CIG – Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género e que se realizará no Sábado, 6 de Julho, na Junta de Freguesia de Alcântara, em Lisboa.

Neste seminário final serão debatidas numa perspectiva feminista interseccional as 4 grandes problemáticas tratadas por este projecto no decurso de 2019 (Mulheres Negras e Afrodescendentes; Mulheres do Interior; Trabalhadoras Domésticas e da Limpeza e Mulheres com Deficiência) contando com a intervenção de investigadoras/es, técnicas e activistas nestas causas. A não perder!

final

::::::::::::PROGRAMA:::::::::::

10h30: SESSÃO DE ABERTURA
– TERESA SALES (Coordenadora do projecto)
– MANUELA RALHA (Vereadora da Cultura de Vila Franca de Xira)
– MARIA JOSÉ MAGALHÃES (Presidente da UMAR)
– ROSA MONTEIRO (SECI – Secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade)

11h15: PAINEL I – MULHERES NEGRAS E AFRODESCENDENTES
– ANA PAULA COSTA (Plataforma GENI)
– LÚCIA FURTADO (FEMAFRO)
– MYRIAM TAYLOR (Muxima)
– JOANA SALES (moderação)

14H00: PAINEL II -MULHERES DO INTERIOR
– ADRIANA GOMES (São Pedro do Sul)
– ANA MARGARIDA PAIVA (Pitões das Júnias)
– LÚCIA JORGE (Pitões das Júnias)
– MANUELA TAVARES (Investigadora CIEG/ISCSP-UL)
– CRISTINA BANDEIRA (moderação)

15h00: PAINEL III – TRABALHADORAS DOMÉSTICAS E DA LIMPEZA
– INÊS BRASÃO (investigadora IHC/FSCH-UNL)
– MANUEL ABRANTES (Sociólogo)
– MARGARIDA COELHO (testemunho)
– TERESA SALES (moderação)

16h15: PAINEL IV – MULHERES COM DEFICIÊNCIA
– HELENA ALVES (INR)
– LIA FERREIRA (Arquitecta)
– PATRÌCIA SANTOS (INR)
– PAULA PINTO (Investigadora ISCSP-UL)
– OLÍMPIA PINTO (moderação)

17h10: CONCLUSÕES E ENCERRAMENTO

*A Junta de Freguesia de Alcântara tem acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida
** Entrada livre

Anúncios

Programação do CCIF/UMAR para Junho e Junho 2019!

O calor aperta… mas… antes que se abra a época tradicional de férias, teremos ainda algumas actividades em Junho e Julho no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) e duas sessões do CCIF/UMAR Fora de Portas!

Ver infra o nosso folheto:

Programação ccif jun-jul 2019.Lembramos que, como em todos os anos, que não faremos qualquer pausa no Verão e manteremos o nosso funcionamento, estando sempre de portas abertas nos dias úteis e, aos fins de semana, em caso de actividades culturais pré-agendadas. O nosso centro de documentação também continuará aberto para consulta presencial e gratuita.

 

Saudações feministas da UMAR

SÁB, 11 MAI 15H na J. F. Alcântara // Múltiplas Discriminações II – Mulheres com Deficiência

 

A UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta promove uma sessão no próximo Sábado no âmbito do projecto Memória e Feminismos uma sessão do ciclo “Múltiplas Discriminações II”, desta vez dedicado à(s) problemática(s) das mulheres com deficiência.

Esta iniciativa “CCIF/UMAR Fora de Portas” será organizada na Junta de Freguesia de Alcântara, no próximo Sábado 11 de Maio, pelas 15h00.

Terá acesso a pessoas com mobilidade reduzida e haverá interpretação em Língua Gestual Portuguesa.

As oradoras serão Cátia Monteiro, Manuela Ralha, Patrícia Carmo, Susana Pinto. Moderação por Maria Viegas.

Mulheres e Deficiencia 11052019_web

O Projecto Memória e Feminismos é promovido pela UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta conta com o apoio da pequena subvenção da CIG – Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género.

Entrada livre.

 

Dias 8 e 9 de Maio // CICLO DE RESISTÊNCIA CULTURAL GALEGO-PORTUGUESA

Nos dias 8 e 9 de Maio, o Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) estará fora de portas com o Ciclo de Resistência Cultural Galego-Portuguesa, uma parceria da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta com o Centro de Estudos Galegos da FCSH-UNL, a Associação José Afonso Galiza, o Colectivo  Cravo, a FCSH-UNL – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, a Academia Galega da Língua Portuguesa e a Xunta de Galicia.

CICLO DE RESISTÊNCIA CULTURAL GALEGO-PORTUGUESA

Dia 8 de Maio 16h-20h

CONFERÊNCIA «A Cultura é uma Arma»

FCSH-UNL – Avenida de Berna 26C, Lisboa. Sala Multiusos 2 – Edifício ID

 

agroqueer

16H. JOSÉ MÁRIO BRANCO
‘’A Música como Arma de Transformação Social e Cultural’’ – a música de Intervenção, como mote para uma transformação e reflexão social no espaço cultural Português.

17H. REGUEIFA – ALBA MARIA E QUECO DIAZ
”Oficina de regueifa e improvisação oral: música popular para educar no feminismo”. Dois músicos Galegos que promovem a transformação da Música Tradicional Galega em Música Feminista. Os dois músicos organizarão uma breve oficina musical durante a conferência.

18H. FESTIVAL AGROQUEER
“Festival Agroqueer da Ulhoa”. Festival Cultural Galego que promove a discussão das temáticas LGBT em espaços rurais. A organização do Festival estará presente na conferência através da figura de Gina Gisbert, que procurará abordar a estrutura e organização do Festival, assim como, pensar a adaptação de temáticas progressistas – como os Direitos LGBT – a espaços, tradicionalmente, fechados e conservadores, como as aldeias interiores rurais.

19H. DANIEL AMARELO
”Fazes o teu próprio mundo tolerante”. Galego, a viver em Lisboa, irá abordar as práticas linguísticas e identidades sexuais não heteronormativas na Galiza contemporânea.

 

Dia 9 de Maio, 21h30

Galiza na Lisa: NOITE AGROQUEER

Crew Hassan, R. Andrade 8A, Anjos – Lisboa

 

noite agroqueer 09052019

PERFORMANCE NELU VERMOUTH
Performer e cantor, pretende expor nas suas performances a crueldade artística que existe detrás da própia liberdade, dos estereótipos e da expressão como forma comunicativa livre de juízo, tentando criar sempre um contexto de terapia grupal no espaço do aqui e do agora. “Para ser perdoada, para ser amada, para ser livre” ~ Sarah Kane

BEJAFLOR
Bejaflor é uma pequena criatura que habita a floresta do pop português, onde pulsam ritmos quebrados com vozes e harmonias sintetizadas no quarto de um jovem produtor independente, José Mendes. No fresquíssimo álbum homónimo de estreia, Bejaflor apresenta um conjunto de canções da sua intimidade com a vibe pop dos 80’s, em andamento electrónico e influências hip-hop, modernas e sofisticadas.

MOUNQUP
Camille Hédouin é o nome por detrás da artista franco-galega MounQup. Nascida em França, mas adotando a Galiza como residência, desde os 15 anos que usa a sua voz para composição de temas Jazz, Eletrónica e Folk. A criação de texturas, sombras e cores, resultam numa paisagem sónica e surreal característica da Artista. A composição dos temas torna-se particular quando assumem o meio em que são produtivos – a zona montanhosa Galega de A Bola.

Entrada livre para todos os 2 dias de eventos! 🙂

Ver mais, aqui.

 

O CCIF/UMAR Fora de Portas! Sessão Assédio Sexual na Biblioteca Ana de Castro Osório

Na próxima 5.ª feira, 28 de Fevereiro às 18h00 na Biblioteca Ana de Castro Osório, inserida na Biblioteca Municipal de Belém (Rua da Junqueira, 295 – Lisboa) o Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR), no âmbito desta parceria, organizará uma sessão sobre assédio sexual.

Participarão duas dirigentes da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta, Ana Beatriz Rodrigues e Joana Sales, que intervirão sobre a problemática do assédio sexual e o papel de movimentos feministas para a desocultação e combate a este flagelo.

Ana Beatriz Rodrigues, de Coimbra, é bióloga e activista feminista no núcleo da UMAR em Coimbra. É uma das autoras do Estudo Preliminar da UMAR contra o Assédio Sexual em Contexto Académico, divulgado em 2018.

Joana Sales, coordenadora do CCIF/UMAR tem desenvolvido activismo feminista nesta área, tendo sido técnica no projecto da UMAR “Assédio Sexual. Quebrar Invisibilidades. Construir uma Cultura de Prevenção e Intervenção”.

assedio sexual

A moderação estará a cargo da mestranda no ISCTE-IUL Sara Lee Almeida.

Evento, aqui.

Entrada livre.

O CCIF/UMAR fora de portas! Nos próximos dias 6, 7 e 8 de Abril em Santiago de Compostela, Galiza!

Pelo segundo ano consecutivo, o Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR),  através da nossa associação, a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta, participa na organização dos Encontros Itinerantes de Mulheres da Lusofonia. Mulheres, Territórios e Memórias. Em 2017, o I Encontro de Mulheres da Lusofonia decorreu em Vilar de Santos, concelho de Ourense (Galiza) e este ano será em Santiago de Compostela, também na Galiza.

II ENCONTRO MULHERES DA LUSOFONIA (1).jpg

As entidades organizadoras do II Encontro de Mulheres da Lusofonia: Mulheres, territórios e memórias são a Academia Galega da Língua Portuguesa, a Associação Pró-AGLP, e a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta. O encontro visa criar uma rede plural feminista de mulheres do espaço lusófono, potenciando um entrecruzamento de diálogos, de experiências e de conhecimento.

O II Encontro Mulheres da Lusofonia conta com o apoio da

  • Comissão Temática de Promoção e Difusão da Língua Portuguesa dos Observadores Consultivos da CPLP
  • Concelho de Santiago de Compostela
  • Livraria Lila de Lilith – Santiago de Compostela
  • Museu do Aljube. Resistência e Liberdade – Lisboa
  • Projeto Cárcere – Corunha/Galiza
  • Marcha Mundial das Mulheres-Galiza
  • Plataforma Feminista Galega
  • Ondjango Feminista – Angola
  • Fórum Mulher – Moçambique

O programa (infra) reflete o carácter feminista, anticolonial e internacionalista destes encontros de mulheres dos países de expressão portuguesa.

A entrada é livre, sujeita a inscrição (gratuita) para mulhereslusofonia@gmail.com

PROGRAMA:

Programa II Encontro_ final

A UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta participará no painel Entre o Ativismo e a Pesquisa. Mulheres na Resistência (com a participação do nosso projeto Memória e Feminismos e no painel Feminismos no Espaço Lusófono. Estará ainda nas mesas de abertura e de encerramento.

Mais informação em: http://www.facebook.com/mulheresdalusofonia

Contamos convosco e/ou com a vossa divulgação! Obrigada!

 

O CCIF/UMAR no 8 de Março 2018

O Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) estará ao rubro no dia 8 de Março – Dia Internacional das Mulheres.

De manhã, entre as 10h15 e as 12h30, o CCIF/UMAR estará fora de portas! Será feita uma comunicação sobre o nosso centro no âmbito da estratégia da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta na promoção da cultura e pensamento feministas na cidade de Lisboa desde 2011.

Esta intervenção será feita por Joana Sales,  coordenadora cultural do CCIF e membro da direcção da UMAR, na sessão Comemorativa do Dia Internacional da Mulher da Escola Artística António Arroio.

28378734_2257731464240888_1122652052573388800_n

Ao final da tarde, pelas 18h00, Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR)  fará a Sessão de Homenagem “Experiências de uma luta” às ex-trabalhadoras da Triumph, recuperando a memória das trabalhadoras que ao longo da história fizeram valer os seus direitos. Recorde-se que centenas destas trabalhadoras ficaram sem trabalho este ano, com o fecho da fábrica Triumph de Sacavém, mas que elas lutaram até ao fim, num exemplo de coragem e persistência, permanecendo quase três semanas à porta da fábrica de dia e de noite, protegendo os bens que por direito eram seus.

Cartaz_homenagem

A sessão às 18h00 “Experiências de uma luta” no CCIF/UMAR é aberta ao público, mas o Jantar de Homenagem na Junta de Freguesia de Alcântara às 20h00 é um evento reservado.

A UMAR participará também nas manifestações do 8M de Lisboa (concentração às 18h no Terreiro do Paço) e no 8M de Coimbra (concentração às 16h na Praça da República). Acompanha as dezenas de iniciativas em que a UMAR está envolvida por todo o país no nosso facebook.

POR UM 8 DE MARÇO FEMINISTA E UMARISTA!