Apoiar gratuitamente a UMAR!

De 1 de Abril a 31 de Maio 2017, decorre o período de entrega de declarações de IRS para todo o tipo de rendimentos. E sabia que nessa declaração pode apoiar a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta doando, sem quaisquer custos para si, 0,5% do seu IRS ou 15% do IVA suportado?

APOIO UMAR IRS.jpg

Apenas tem de inserir o NIF da UMAR 501 056 246 no Anexo H, Modelo 3, campo 1101 (Instituições particulares de solidariedade social ou pessoas colectivas de utilidade pública) do Quadro 11.

É uma oportunidade de, gratuitamente, apoiar o trabalho da UMAR na luta contra a Violência de Género e nas Relações de Intimidade, a promoção dos Direitos Humanos das Mulheres e a Igualdade de Género, a Prevenção da Violência nas escolas, os Direitos Sexuais e Reprodutivos e tantas outras lutas feministas em que a UMAR se envolve activa e comprometidamente desde 1976.

Não custa nada esta doação e assim poderemos prosseguir mais eficaz e amplamente, o nosso trabalho em prol de uma sociedade mais justa e feminista. Muito obrigada!

O CCIF/UMAR na Galiza

Desta vez o Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) irá viajar até à Galiza para participar e dinamizar duas sessões neste I Encontro de Mulheres da Lusofonia: uma comunicação sobre o projecto Memórias e Feminismos e outra sobre construção identitária, a decorrer nos dias 18 e 19 de Março no Museu da Límia em Vilar de Santos- Galiza (próximo de Montalegre).

Este encontro convida mulheres que no activismo associativo, cívico, académico ou criativo, têm desenvolvido actividades nos âmbitos territoriais da lusofonia, promovendo valores e boas-práticas democráticas, pós-coloniais, feministas, anti-racistas e/ou ambientalistas.

A UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta assinará um protocolo de cooperação com a Associação Cultural Pró-Academia Galega da Língua Portuguesa (Pró-AGLP) e apresentará 2 comunicações, uma sobre construção identitária no contexto da lusofonia e outra sobre o projecto desenvolvido pela UMAR, Memória e Feminismos, financiado pela Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, que desde 2013 recolhe histórias de vida de várias mulheres pelo país, e que já vai na sua 5.ª edição: “Memórias e Feminismos V – A voz das feministas num percurso de 40 anos”.

I Encontro Mulheres Lusófonas

QUI, 15 DEZ. 18h30 // Apresentação do livro “As Luas dum Caracol” de Margarida Bom no CCIF/UMAR

 

Na 5.ª feira 15 de Dezembro, a partir das 18H30, Eduarda Ferreira apresentará no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) o livro “As Luas dum Caracol” de Mar Bom, “nome de guerra” de Maria Margarida Bom Silva.

Lisboeta dos quatro costados, cidadã e exploradora do mundo por vocação, com muito caminho de vida palmilhado, encerra um ciclo de 18 anos resgatando vivências e miragens que ecoam num livro colorido e vibrante.

A autora estará presente no evento. Entrada Livre!

as-luas-dim-caracol-15dez

QUA, 7 DEZ. 18h30 // Projecção do Documentário Casablanca Calling

 

15232057_1257532257636803_8289593100941528284_n

A UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta com o apoio da Embaixada do Reino dos Países Baixos convida para a sessão de projecção do premiado documentário “Casablanca Calling” da realizadora britânica Rosa Rogers a ter lugar no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) em Lisboa (Alcântara) na próxima 4.ª feira, 7 de Dezembro às 18h30.

Este filme trata sobre uma nova geração de mulheres em Marrocos que lutam pela emancipação das mulheres, pelo direito à educação das meninas e raparigas e contra o casamento precoce.

Filme produzido pela Redbird, ITVS, Al Jazeera Documentaries e Cocottes Minute. Vencedor do Prémio One World Media Award 2015, Women’s Rights in Africa.

Ver trailer, aqui. Filme em árabe, legendado em inglês.

SINOPSE: Casablanca Calling é a história de uma tranquila revolução social em Marrocos. Em um país onde mais de 60% das mulheres nunca foram à escola, uma nova geração de mulheres começou a trabalhar como líderes muçulmanas.

Casablanca Calling segue três destas líderes “Morchidat” – Hannane, Bouchra e Karima – e como elas se propuseram a mudar o seu país, começando ao nível da rua. Elas vão para as mesquitas, escolas, casas, orfanatos, prisões e campo. Apoiam a educação das mulheres e das raparigas; fazem campanhas contra o casamento precoce e incentivam as/ os jovens a construir um Marrocos melhor.

Mais informações no site oficial: http://www.casablancacalling.com

Contamos com a tua presença e/ou divulgação!                                                                             Saudações feministas da UMAR

Dezembro no CCIF/UMAR!

Dezembro está a começar e a nossa programação promete! Teremos três actividades culturais no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) ainda na 1.ª quinzena, nos dias 4, 7 e 15 de Dezembro.

programacao-dezembro


DOM, 4 DEZ 17h00 // Lançamento e apresentação do livro dos 40 Anos da UMAR: Construindo os Feminismos, Desafiando o Futuro. Além de fotos e dados ilustrativos das várias fases e lutas da associação, o livro conta com 41 testemunhos de associadas de diferentes gerações e regiões, cruzando experiências e perspectivas feministas. Feminismos em diálogo nos 40 anos da UMAR! Entrada Livre.

15230759_1252465601476802_2533884728248829744_n
Pormenor da capa do livro comemorativo dos 40 anos da UMAR

QUA, 7 DEZ. 18h30 // Projecção do Documentário Casablanca Calling, de Rosa Rogers Filme sobre uma nova geração de mulheres em Marrocos que lutam pela emancipação das mulheres, pelo direito à educação das meninas e raparigas e contra o casamento precoce. Filme vencedor do Prémio One World Media Award 2015, Women’s Rights in Africa.                 Iniciativa da UMAR com o apoio da Embaixada do Reino dos Países Baixos. Entrada Livre.

cartaz-final-30-nov


QUI, 15 DEZ. 18h30 // Apresentação do livro “Das Luas dum Caracol” de Margarida Bom Mar Bom, “nome de guerra” de Maria Margarida Bom Silva, lisboeta dos quatro costados, cidadã e exploradora do mundo por vocação, com muito caminho de vida palmilhado, encerra um ciclo de 18 anos resgatando vivências e miragens. Entrada Livre!

as-luas-dim-caracol-15dez


Contamos contigo para estas iniciativas de Dezembro, dias 4, 7 e 15.

Mais informações no nosso evento no Facebook. Saudações feministas da UMAR!

 

 

SEX, 18 de NOV. 18h30 // Apresentação do novo Livro “A Gorda” da escritora Isabela Figueiredo

Amanhã, 18 de novembro, às 18h30, no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR), teremos o enorme prazer de estar com Isabela Figueiredo na apresentação do seu romance “A Gorda” recém-publicado pela Caminho. Este romance tem obtido excelentes críticas, nomeadamente no artigo publicado por Carla Macedo esta semana (16.11.2016) no Delas.pt, intituladoLemos ‘A Gorda’ e adorámos! Saiba por que razão tem de ler este livro do qual deixamos alguns excertos:

“Isabela Figueiredo, a autora de ‘A Gorda’ nasceu em Lourenço Marques (hoje Maputo), antes da independência das Colónias portuguesas em África. Maria Luísa, a personagem principal deste romance acabado de publicar pela Caminho também. Há mais coisas em comum entre ambas, muitas mesmo. São ambas professoras, escrevem, foram jornalistas, têm um blogue. E há, claro, a questão do peso: foram ambas gordas. (…)

O que é inesperado e em ‘A Gorda’ e surpreendente até ao fim é o retrato interior de, pelo menos, uma geração. (…)


isabela_figueiredoEm ‘A Gorda’ os tempos misturam-se como se costumam ligar na memória. O romance começa no fim quando a personagem principal já não é gorda, já fez a gastrectomia que a pôs a sopas e caldos e a fez emagrecer, mas as marcas do passado enquanto gorda ainda estão todas inscritas na autonarrativa de Maria Luísa.(…)

Fundamentalmente, qualquer mulher, provavelmente cada homem, se consegue relacionar com partes ou mesmo com o todo desta história. A recuperação de cenários como os bairros de barracas à porta dos bairros suburbanos, dos objetos do quotidiano como o passe L123 ou as motas Casal, de momentos históricos na vida doméstica como a instalação do telefone nos anos 80 ou a entrada para a faculdade do filho único das classes operárias fazem de ‘A Gorda’ um romance de época do pós-Colonialismo, cheio daquilo que o País é.”

isabela

Contamos contigo para um final de tarde especial.

Entrada livre!

 

SEX, 18 Nov. 18h30 // Apresentação do Livro “A Gorda” de Isabela Figueiredo

Na próxima sexta-feira, 18 de Novembro pelas 18h30, teremos um prazer de ter connosco no Centro de Cultura e Intervenção Feminista CCIF/UMAR, em Lisboa (Alcântara) a escritora Isabela Figueiredo para apresentação do seu recém-lançado romance: A Gorda.

Teremos também exemplares disponíveis e convidada/o surpresa.

livro-de-isabela-figueiredo-a-gorda

Sinopse: O livro traça a história de Maria Luisa, uma bela rapariga, inteligente, boa aluna, voluntariosa e com uma forte personalidade. Mas é gorda. Uma característica física que a incomoda de tal modo que coloca tudo o resto em causa. Maria Luisa sofre em silêncio, mas não desiste, não se verga, e vai em frente, gorda, à procura de uma vida que valha a pena viver.

 

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Isabela Figueiredo

Isabela Figueiredo nasceu em Moçambique em 1963. Após a independência, em 1975, rumou a Portugal. Foi jornalista no Diário de Notícias e é professora de Português. Estudou Línguas e Literaturas Lusófonas, Sociologia das Religiões e Questões de Género. Escreve regularmente no blogue Novo Mundo.

Escreveu Conto É Como Quem Diz, obra que recebeu o primeiro prémio da Mostra Portuguesa de Artes e Ideias, em 1988, e Caderno de Memórias Coloniais, publicado em 2009 e reeditado em 2015 pela Caminho.

Participa em seminários e conferências sobre as suas principais áreas de interesse: estratégias de poder, de exclusão/inclusão, colonialismo dos territórios, géneros, corpo, culturas e espécies.

Contamos contigo para esta especial sessão. Entrada livre!

SÁB, 12 NOV 10h-18h | Universidade Feminista em Diálogo – Práticas Feministas

Sábado, 12 de Novembro terá lugar no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) um dia inteiro dedicado a comunicações livres!

14238089_1126363404119314_568925054712240412_n

PROGRAMA:

10h00-11h30 | Moderação Manuela Tavares
– O Desejo no Feminino |
Ana Paulino
– A pornografia e a vida real. Literacia mediática e percepções de jovens portugueses sobre conteúdos sexuais na internet | Daniel Cardoso e Cristina Ponte
– LES friendly – criar e partilhar para mudar | Eduarda Ferreira
– Recorte de imprensa/ Clipping | Cristina L. Duarte

11h45-13h30 | Moderação Clara Carvalho
– Trabalho doméstico em Portugal: Proposta para o ensino de divisão das tarefas domésticas no agregado familiar no 2.º ciclo escolar | Isabel Santos
– The Girl Effect | Girl Effect Coimbra
– Da beleza que dói ao orgulho de ser | Eliana Oliveira
– Colectivo Feminista do Porto | Aline Flor, Sara Leão, Alícia Medeiros e Ana Afonso
– Empreendedorismo Social: Projecto “Reciclar no Feminino”| Sofia Ramos

14h30-16h00 | Moderação Isabel Bento
– “Crítica do artigo “As/os feministas louc@s não deixam as mulheres ser objeto de desejo” | Margarida Hourmat
– A função social da religião no acolhimento de mulheres imigrantes Brasileiras em Portugal | Maria Beatriz do Valle Coelho Lopes
– Falar de Feminismo em Portugal: Uma Roda Parada | Cristina Marques Dias
– Diretrizes teóricas para a concepção do jogo de cartas VIDAS VIOLETAS em Portugal e no Brasil | Maria Raquel GM Pires e Beatriz Padilla

16h15-18h00 | Moderação Luísa Rego
– 12 Pessoas de costas | Ana Miriam Rebelo e Helena Valente
– Diálogos entre o feminismo e a argumentação jurídica | Benilde Moreira
– Psicoterapia feminista | Marília Saldanha
– As mulheres e o direito à privacidade | Victor Correia
– A migrante brasileira em Portugal: do corpo colonial e racializado às possibilidades de agência | Camila Craveiro, Rosa Cabecinhas, Carla Cerqueira

O programa com os links dos resumos: http://www.universidadefeminista.pt/

 

QUI, 10 Nov 18h00 | Magusto Feminista!

Chegado o Outono convidamos-te para o nosso Magusto Feminista já esta semana, 5.ª feira 10 de Novembro às 18h! O Magusto Feminista realizar-se-á no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) em Alcântara.

E, este ano, temos uma surpresa especial… a actuação do Coro Feminino de Cante Alentejano “As Ceifeiras” que vem nesse dia directamente de Castro Verde animar o encontro/convívio!

Teremos também especialidades da época (castanhas, água-pé, enchidos, etc).

Para entrada, pedimos o valor simbólico de 5 “castanhas” por pessoa.

14956462_1228303223893040_8075220338050062072_n