E que venha 2021, com muita cultura feminista!

Após um ano atípico e exigente a todos níveis, com impacto muito assinalável para a vida das mulheres, raparigas e pessoas não binárias, a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta deseja a todas/xs um melhor ano para 2021, e que consigamos dar mais passos rumo a uma sociedade mais feminista, justa e igualitária.

Após sessão de ontem, a 30 de Dezembro de 2020, do Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) dedicada à partilha de leituras da obra de Clarice Lispector, escrevemos-vos na véspera de Ano Novo no comprometimento de continuação da promoção e usufruto de uma cultura feminista, produzida por mulheres e/ou com uma forte perspectiva de género e feminista, contribuindo para a divulgação do trabalho das criadoras de cultura, qualquer que seja a sua expressão (literatura, artes visuais, artes performativas, música, etc.).

A nossa programação em 2021 continuará a ter uma forte componente de reflexão feminista sobre temas que nos afectam, sendo 2020 um bom exemplo do CCIF/UMAR de rápida adaptação e superação das dificuldades trazidas pela pandemia de Covid-19, tendo voltado a programação cultural exclusivamente para o ambiente online logo a partir da segunda quinzena de Março de 2020.

Foi ainda no primeiro trimestre que não deixámos morrer o ciclo até então presencial e mensal “Leituras Partilhadas”, duplicando a sua periodicidade de mensal para quinzenal e tornando-o acessível em qualquer lugar do mundo à distância de um clique. Periodicamente, este ciclo passou a incluir sessões de leitura temáticas, para divulgar, reflectir e celebrar obras de grandes escritoras como Maria Velho da Costa (um mês após a sua morte) ou Clarice Lispector (no mês do centenário do seu nascimento). Adicionalmente, por ocasião do Dia das Bruxas, realizámos uma roda de leitura sobre o tema da perseguição histórica às mulheres.

Para ajudar a combater o isolamento e incerteza das primeiras semanas da quarentena criámos, em Abril de 2020, o ciclo online “Conversas Soltas” que, desde então, organizou quase 2 dezenas de sessões online sobre várias temáticas intrínsecas à vida e aos direitos das mulheres e raparigas, como: os feminismos na actualidade; precariedade na cultura; crise na habitação; sexismo e idadismo; gordofobia; violências de género; mulheres migrantes; criadoras literárias e musicais; saúde das mulheres ou Pequim +25.

Além destes ciclos culturais e de intervenção feministas e das iniciativas presenciais dinamizadas pré-pandemia no nosso espaço em Lisboa/Alcântara, celebrámos novas parcerias com a plataforma cultural Gerador, Olhares do Mediterrâneo – Women’s Film Festival ou a STOP Gordofobia e demos continuidade a outras já estabelecidas como a Academia Galega da Língua Portuguesa, FEM TOUR TRUCK – Festival Itinerante de VideoArte Feminista, TransMissão: Associação Trans e Não-Binária ou a Revirada revista feminista.

Entretanto, desvelamos que outras iniciativas e parcerias têm vindo a ser preparadas, as quais ir-se-ão desabrochar ao longo de 2021!

Sigam-nos aqui no WordPress e na nossa página de facebook para ficarem a par das nossas iniciativas e notícias nacionais e internacionais que digam respeito à cultura feminista.

EM SETEMBRO DE 2021 CONCLUIREMOS 10 ANOS DE CONTÍNUA PROGRAMAÇÃO CULTURAL FEMINISTA, INTERNACIONALISTA E INTERSECCIONAL. 10 Anos em que, muitas vezes em esforço e sem qualquer tipo de apoio externo, não desistimos do nosso sonho de tentar disponibilizar da forma mais acessível possível ao maior número de pessoas, actuais criações culturais e artísticas assim como debates feministas.

Terminamos reiterando a nossa solidariedade para com todas as pessoas, sobretudo do sector cultural, que enfrentaram um grande revés em 2020.

Que 2021 finalmente traga o real reconhecimento do valor e papel da cultura para a sociedade!

Saudações Feministas e Rebeldes do CCIF/UMAR

O Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) em reportagem na Revista Gerador

O Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) foi uma das entidades seleccionadas pela Revista Gerador (periodicidade bimensal, edição impressa e digital) para realização de uma reportagem sobre projectos culturais feministas em Portugal.

Tendo entrevistado Joana Sales, coordenadora do Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR), é connosco que esta reportagem se inicia e termina.

«Sendo o CCIF “um lugar de fala”, privilegia testemunhos na primeira pessoa e um diálogo constante entre o(s) tempo(s). Pela proximidade à cultura e às suas intervenientes, este braço da UMAR olha ao microscópio as questões de género dentro de um setor que “ainda não as reconhece”.»

Pelo meio, dá a conhecer outros projectos culturais feministas contemporâneos como o projecto Herchive (arquivo visual dedicado à representatividade de artistas mulheres e não-binárias) do qual fomos parceiras este ano no lançamento do seu livro na já extinta Ó Galeria! de Lisboa; a Revista Faces de Eva de que temos a sua colecção quase completa no nosso centro de documentação para consulta gratuita; ou o último livro de Lúcia Vicente, autora que em Outubro de 2019 que já apresentou no nosso espaço um dos seus livros, “Feminismo de A a Ser”.

A conhecer também as Wiki Editoras Lx, o Coletivo PELE e o projecto Feminismos sobre Rodas!

Ler aqui a reportagem. Boas leituras!

Pequena homenagem a Maria Velho da Costa 1938-2020

No passado Domingo, 24 de Maio de 2020 a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta preparou, assim que soube da morte da Grande escritora Maria Velho da Costa, uma das 3’s Marias, cuja obra teve grande impacto para as mulheres e os feminismos em Portugal, um pequeno apontamento em sua homenagem.

Ficam assim, espelhados também nesta página, uma singela compilação de citações e textos fabulosos (há muitos mais, claro, sua obra é fantástica e extensa), mescladas com palavras nossas de admiração.

Com uma obra sempre inspiradora para o nosso activismo político, académico e cultural, continuaremos a homenageá-la quando possível, nomeadamente numa das próximas sessões online das Leituras Partilhadas que se realizará no dia do seu aniversário, 26 de Junho.

Mais novidades do Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) para breve!

Teremos uma programação repleta em Junho!

Nota sobre o falecimento de Luís Ribeiro

Foi com tristeza que Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) soube no passado dia 3 da súbita e totalmente inesperada morte de Luís Ribeiro, Professor no Instituto Superior Técnico, um cientista e activista ambiental ímpar e um cidadão solidário de várias causas emancipatórias.

Amigo da UMAR e do nosso centro, Luís Ribeiro, enquanto cinéfilo e melómano comprometido com as questões da igualdade de género, contribuiu entre 2011 e 2015 para a programação cultural do Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR), tendo co-coordenado os 2 primeiros Ciclos de Cinema CineMulheres; co-organizado a sessão “Mulheres Compositoras do séc. XII ao séc. XXI” e participado no evento do 39.º Aniversário da UMAR com a dinamização de um momento sobre as mulheres na história da música.

Luís Ribeiro a dinamizar uma sessão sobre mulheres na história da música no CCIF/UMAR.
Setembro de 2015

Um muito obrigada Luís Ribeiro pela tua solidariedade e generosidade com que partilhaste momentos culturalmente muito ricos, tendo apoiado a realização de eventos de grande qualidade, de reflexão e de resgate da memória das mulheres na cultura – enquanto autoras e/ou protagonistas.

As nossas sentidas condolências à família, nomeadamente à sua mulher e associada da UMAR, Fátima Quitério.

SÁB, 31 AGO a partir das 17h30 // FEM TOUR TRUCK em Lisboa!!!

🚌FEM TOUR TRUCK – Festival Itinerante de VideoArte Feminista, colectivo artístico feminista do País Basco, irá colorir e interagir com as/xs demais este SÁBADO, 31 AGOSTO no LARGO do INTENDENTE, LISBOA, das 17h30 às 23h00 com workshops, mostra de vídeos e dj’s 📣🎊

O FEM TOUR TRUCK – Festival Itinerante de VideoArte Feminista promove os direitos das mulheres e o respeito pelas diferentes identidades de género através de ferramentas artísticas.

O FEM TOUR TRUCK é produzido pela plataforma livre de difusão cultural GUERRILLA Food Sound System e conta com o apoio do Governo Basco, do Instituto Etxepare e de outras organizações parceiras durante as itinerâncias, como a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta.

Actualmente em digressão por Portugal, este festival já passou pelo País Basco, Estado Espanhol, França, Inglaterra, EUA, México, Colômbia e Equador.

Entrada livre!

Esperamos por vocês 🙂

50 anos de Stonewall 28 Junho 1969 – 28 de Junho 2019

Hoje, 28 de Junho, faz precisamente 50 anos que ocorreram os motins de Stonewall em Nova Iorque e que assinalam o nascimento do movimento de defesa dos direitos LGBT.

marshasylvia
Marsha P. Johnson e Sylvia Rivera, as duas mulheres trans que lideraram os motins de Stonewall em 1969 e que abriram caminho para o nascimento deste movimento.

Este ano marca também os 20 anos da primeira marcha LGBT em Portugal dando uma força ainda maior para sairmos à rua e marcharmos pela liberdade e igualdade de direitos para todas/xs, contra o patriarcado e o binarismo de género.

A UMAR estará uma vez mais na rua pelo aumento da visibilidade e igualdade das lésbicas, bissexuais, trans e intersexo na sociedade. Por uma também igualdade efectiva das pessoas das comunidades LGBTI+ de origem afrodescendente, cigana, migrante e/ou com deficiência, que enfrentam discriminações múltiplas.

A 20.ª Marcha do Orgulho LGBTI+ de Lisboa iniciar-se-á este Sábado, 9 de Junho na Praça do Príncipe Real (ponto de encontro da UMAR, 16h30 debaixo do grande cipreste do jardim) e seguirá até à Ribeira das Naus.

UMAR MOL 2017_recorte.

Para ouvir, testemunho da nossa companheira Eduarda Ferreira, histórica activista lésbica e membro da UMAR, publicado hoje no Público, sobre a 1.ª Marcha LGBT de Lisboa (ano 2000).

Figura-1-Clube-Safo-na-1-Marcha-do-Orgulho-em-2000-Fonte-http-portugalprideorg
Clube Safo, associação lésbica do qual Eduarda Ferreira foi dirigente, na 1.ª Marcha do Orgulho LGBT em 2000. Fonte-http-portugalprideorg

Partilhamos também a ferramenta digital Stonewall Forever que permite descobrir o monumento “vivo” Stonewall Forever e explorar as suas duas colecções documentais “Life before Stonewall” e “The Stonewall Riots” que reúne testemunhos em vídeo, folhetos e fotografias de época antes e durante os motins.

unnamed

Inclui também o documentário de Ro Haber “Stonewall Forever” (21 min) que reúne vozes de mais de 50 anos de ativismo LGBTQ para explorar o legado actual deste histórico acontecimento.

Saudações feministas e anti-LesBiTransfóbicas!

 

 

Programação do CCIF/UMAR em Maio!

Neste mês de Maio o Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) está com uma programação de arromba! Programa completo, infra:

programação ccif maio 2019

Além da parceria com o Festival Feminista de Lisboa (dias 5, 18, 19 e 31) , temos também nos dias 8 e 9 de Maio o “Ciclo de Resistência Cultural Galego-Portuguesa. A Cultura é uma Arma”. Serão dois dias de programação conjunta com o Centro de Estudos Galegos da FCSH-UNL, UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta, Associação José Afonso, Cravo, FCSH-UNL, Academia Galega da Língua Portuguesa, Xunta de Galicia.

Ciclo de Resistência cultural galego-portuguesa

CICLO DE RESISTÊNCIA CULTURAL GALEGO-PORTUGUESA

Neste início de Maio, paramos para repensar, reflectir e discutir a expressão cultural como forma de Resistência no âmbito político e social Português e Galego. Partindo do mote que assume «A Cultura é uma Arma» projecta-se dois momentos distintos – uma Conferência e uma Festa.

CONFERÊNCIA «A Cultura é uma Arma» | Dia 8 de Maio 16h-20h
FCSH-UNL (Avenida de Berna 26C, Lisboa) Sala Multiusos 2 – Edifício ID

16H. JOSÉ MÁRIO BRANCO
‘’A Música como Arma de Transformação Social e Cultural’’ – a música de Intervenção, como mote para uma transformação e reflexão social no espaço cultural Português.

17H. REGUEIFA – ALBA MARIA E QUECO DIAZ
”Oficina de regueifa e improvisação oral: música popular para educar no feminismo”. Dois músicos Galegos que promovem a transformação da Música Tradicional Galega em Música Feminista. Os dois músicos organizarão uma breve oficina musical durante a conferência.

18H. FESTIVAL AGROQUEER
“Festival Agroqueer da Ulhoa”. Festival Cultural Galego que promove a discussão das temáticas LGBT em espaços rurais. A organização do Festival estará presente na conferência através da figura de Gina Gisbert, que procurará abordar a estrutura e organização do Festival, assim como, pensar a adaptação de temáticas progressistas – como os Direitos LGBT – a espaços, tradicionalmente, fechados e conservadores, como as aldeias interiores rurais.

19H. DANIEL AMARELO
”Fazes o teu próprio mundo tolerante”. Galego, a viver em Lisboa, irá abordar as práticas linguísticas e identidades sexuais não heteronormativas na Galiza contemporânea.

Entrada livre para todos os eventos 🙂

Saudações feministas do CCIF/UMAR

O CCIF/UMAR dá as muito boas-vindas ao Festival Feminista de Lisboa 2019!

O próximo mês de Maio será de arromba no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) com uma programação muito intensa e diversificada!

À semelhança do ano passado, onde o CCIF/UMAR acolheu um workshop no âmbito do 1.ª Festival Feminista de Lisboa, este ano, no âmbito de uma fantástica parceria, acolheremos cinco iniciativas do 2.ª Festival Feminista de Lisboa que decorrerá durante o mês de Maio subordinado ao tema “Feminismos: a luta no quotidiano”.

Parceria CCIF_UMAR e Festival Feminista de Lisboa 2.ª Edição-1

Actividades conjuntas do Festival Feminista de Lisboa, Maio de 2019, no CCIF/UMAR:

Mais informações no decorrer do próximo mês e/ou consulta-nos no nosso facebook  da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta.

Entrada gratuita para todas as actividades.

Iniciando 2019 a todo o vapor!

2019 já começou e a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta deseja um ano pleno de lutas feministas para fazer face aos muitos desafios que se nos colocam. Um passo de cada vez rumo a um mundo menos sexista, discriminatório e opressor.

Acompanha-nos no website, facebook e/ou instagram em: umarfeminismos

Quanto às actividades no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR), novidades muito em breve 😉

Postal da UMAR para 2019

Um 2019 mais feminista! Ninguém larga a mão de ninguém!

Dias 21 e 22 de Novembro no CCIF/UMAR!

Na semana antecessora dos 16 Dias de Activismo contra a Violência de Género de 2018, a UMAR convida para os dois eventos que realizaremos em Lisboa no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) nos dias 21 e 22 de Novembro.

QUA, 21 de Novembro às 18h30 // À Conversa com Mulheres Arquitectas

Na próxima 4.ª feira, 21 de Novembro pelas 18h30 teremos uma sessão do ciclo “À Conversa com…” na qual teremos a oportunidade de conhecer as arquitectas Patrícia Santos Pedrosa e Diana Bugado da associação fundada em 2017 “Mulheres na Arquitectura”. Esta associação visa a reflexão e a acção no âmbito da equidade de género nas várias práticas no fazer arquitectura, cidade e território.

mulheres arquitectas

QUI, 22 de Novembro às 15h00 // Lançamento do Relatório 2018 do Observatório de Mulheres Assassinadas da UMAR

Sessão de lançamento e apresentação dos dados do relatório anual de 2018 do Observatório de Mulheres Assassinadas (OMA) da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta na próxima 5.ª feira 22 de Novembro às 15h00 pelas técnicas e membros da equipa coordenadora do Observatório, Elisabete Brasil e Sónia Soares.

logo_oma           2305_feminicidios_620x350

Desde 2004 que a UMAR divulga os resultados dos relatórios anuais do Observatório de Mulheres Assassinadas (OMA ) sobre os femicídios e suas tentativas em Portugal estando todos eles disponíveis para consulta no nosso site em: http://www.umarfeminismos.org/index.php/observatorio-de-mulheres-assassinadas

Entrada livre em ambas as sessões.

Saudações feministas da UMAR