TER, 15 OUT 18h00 // Leituras Partilhadas

Na próxima 3.ª feira 15 de Outubro, terá lugar mais uma edição da tertúlia “Leituras Partilhadas” no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR).

Traz um livro, artigo, poema, trecho que gostarias de compartilhar numa roda informal.

A entrada é gratuita e o importante é a troca de experiências, experiências e ideias que as nossas leituras fornecem!

Até lá 🙂

Anúncios

QUA, 9 OUT 18h30 // Lançamento do livro Feminismo de A a Ser, de Lúcia Vicente

Na 4.ª feira 9 de Outubro às 18h30 terá lugar no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) em Lisboa/Alcântara a sessão de lançamento do livro “Feminismo de A a Ser” de Lúcia Vicente, publicado pela Editora Objectiva.

A apresentação estará a cargo de Rita Marrafa de Carvalho e de Miguel Somsen.

“Para que todos fiquem a saber o que é – e o que não é – o Feminismo. Num país onde, em 2018, 28 mulheres foram vítimas de feminicídio e onde a diferença salarial entre um homem e uma mulher pode atingir os 26%, o feminismo é uma urgência, não um capricho.”

Notícia da Máxima de 25.09.2019 sobre este livro: https://www.maxima.pt/culturas/detalhe/feminismo-de-a-a-ser

Haverá livros para venda. Entrada livre.

SEX, 27 SET 18H // Lupa Feminista sobre os Programas Eleitorais

Aproximamos-nos das eleições legislativas e a necessidade de uma análise feminista dos diferentes programas partidários impera-se.

“Lupa Feminista sobre os Programas Eleitorais” é o tema da próxima sessão do Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) que marcará o fecho desta semana, sexta-feira, 27 de Setembro às 18h00.

O que nos nos dizem os vários programas eleitorais?

No formato de conversa informal, onde todas as pessoas serão protagonistas, vamos reflectir e debater várias propostas.

Entrada livre.

SÁB, 31 AGO a partir das 17h30 // FEM TOUR TRUCK em Lisboa!!!

🚌FEM TOUR TRUCK – Festival Itinerante de VideoArte Feminista, colectivo artístico feminista do País Basco, irá colorir e interagir com as/xs demais este SÁBADO, 31 AGOSTO no LARGO do INTENDENTE, LISBOA, das 17h30 às 23h00 com workshops, mostra de vídeos e dj’s 📣🎊

O FEM TOUR TRUCK – Festival Itinerante de VideoArte Feminista promove os direitos das mulheres e o respeito pelas diferentes identidades de género através de ferramentas artísticas.

O FEM TOUR TRUCK é produzido pela plataforma livre de difusão cultural GUERRILLA Food Sound System e conta com o apoio do Governo Basco, do Instituto Etxepare e de outras organizações parceiras durante as itinerâncias, como a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta.

Actualmente em digressão por Portugal, este festival já passou pelo País Basco, Estado Espanhol, França, Inglaterra, EUA, México, Colômbia e Equador.

Entrada livre!

Esperamos por vocês 🙂

QUA, 17 JUL 18h // Sessão de Leitura sobre a obra de Agustina Bessa-Luís

Na próxima 4.ª feira, 17 de Julho às 18h00, o Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) dedicará uma sessão de leitura e de partilha sobre a obra da escritora Agustina Bessa-Luís.

agustina bessa-luís 17072019

Partilhamos aqui duas das muitas notícias e artigos sobre a sua vida e obra publicadas aquando do seu desaparecimento no passado mês:

Entrada livre!

Evento, aqui.

CCIF/UMAR Fora de Portas // Seminário Final do Projecto da UMAR, Múltiplas Discriminações II

Convite para o Seminário Final do projecto Memória e Feminismos: Múltiplas Discriminações II, desenvolvido pela UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta com o apoio da pequena subvenção da CIG – Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género e que se realizará no Sábado, 6 de Julho, na Junta de Freguesia de Alcântara, em Lisboa.

Neste seminário final serão debatidas numa perspectiva feminista interseccional as 4 grandes problemáticas tratadas por este projecto no decurso de 2019 (Mulheres Negras e Afrodescendentes; Mulheres do Interior; Trabalhadoras Domésticas e da Limpeza e Mulheres com Deficiência) contando com a intervenção de investigadoras/es, técnicas e activistas nestas causas. A não perder!

final

::::::::::::PROGRAMA:::::::::::

10h30: SESSÃO DE ABERTURA
– TERESA SALES (Coordenadora do projecto)
– MANUELA RALHA (Vereadora da Cultura de Vila Franca de Xira)
– MARIA JOSÉ MAGALHÃES (Presidente da UMAR)
– ROSA MONTEIRO (SECI – Secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade)

11h15: PAINEL I – MULHERES NEGRAS E AFRODESCENDENTES
– ANA PAULA COSTA (Plataforma GENI)
– LÚCIA FURTADO (FEMAFRO)
– MYRIAM TAYLOR (Muxima)
– JOANA SALES (moderação)

14H00: PAINEL II -MULHERES DO INTERIOR
– ADRIANA GOMES (São Pedro do Sul)
– ANA MARGARIDA PAIVA (Pitões das Júnias)
– LÚCIA JORGE (Pitões das Júnias)
– MANUELA TAVARES (Investigadora CIEG/ISCSP-UL)
– CRISTINA BANDEIRA (moderação)

15h00: PAINEL III – TRABALHADORAS DOMÉSTICAS E DA LIMPEZA
– INÊS BRASÃO (investigadora IHC/FSCH-UNL)
– MANUEL ABRANTES (Sociólogo)
– MARGARIDA COELHO (testemunho)
– TERESA SALES (moderação)

16h15: PAINEL IV – MULHERES COM DEFICIÊNCIA
– HELENA ALVES (INR)
– LIA FERREIRA (Arquitecta)
– PATRÌCIA SANTOS (INR)
– PAULA PINTO (Investigadora ISCSP-UL)
– OLÍMPIA PINTO (moderação)

17h10: CONCLUSÕES E ENCERRAMENTO

*A Junta de Freguesia de Alcântara tem acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida
** Entrada livre

50 anos de Stonewall 28 Junho 1969 – 28 de Junho 2019

Hoje, 28 de Junho, faz precisamente 50 anos que ocorreram os motins de Stonewall em Nova Iorque e que assinalam o nascimento do movimento de defesa dos direitos LGBT.

marshasylvia
Marsha P. Johnson e Sylvia Rivera, as duas mulheres trans que lideraram os motins de Stonewall em 1969 e que abriram caminho para o nascimento deste movimento.

Este ano marca também os 20 anos da primeira marcha LGBT em Portugal dando uma força ainda maior para sairmos à rua e marcharmos pela liberdade e igualdade de direitos para todas/xs, contra o patriarcado e o binarismo de género.

A UMAR estará uma vez mais na rua pelo aumento da visibilidade e igualdade das lésbicas, bissexuais, trans e intersexo na sociedade. Por uma também igualdade efectiva das pessoas das comunidades LGBTI+ de origem afrodescendente, cigana, migrante e/ou com deficiência, que enfrentam discriminações múltiplas.

A 20.ª Marcha do Orgulho LGBTI+ de Lisboa iniciar-se-á este Sábado, 9 de Junho na Praça do Príncipe Real (ponto de encontro da UMAR, 16h30 debaixo do grande cipreste do jardim) e seguirá até à Ribeira das Naus.

UMAR MOL 2017_recorte.

Para ouvir, testemunho da nossa companheira Eduarda Ferreira, histórica activista lésbica e membro da UMAR, publicado hoje no Público, sobre a 1.ª Marcha LGBT de Lisboa (ano 2000).

Figura-1-Clube-Safo-na-1-Marcha-do-Orgulho-em-2000-Fonte-http-portugalprideorg
Clube Safo, associação lésbica do qual Eduarda Ferreira foi dirigente, na 1.ª Marcha do Orgulho LGBT em 2000. Fonte-http-portugalprideorg

Partilhamos também a ferramenta digital Stonewall Forever que permite descobrir o monumento “vivo” Stonewall Forever e explorar as suas duas colecções documentais “Life before Stonewall” e “The Stonewall Riots” que reúne testemunhos em vídeo, folhetos e fotografias de época antes e durante os motins.

unnamed

Inclui também o documentário de Ro Haber “Stonewall Forever” (21 min) que reúne vozes de mais de 50 anos de ativismo LGBTQ para explorar o legado actual deste histórico acontecimento.

Saudações feministas e anti-LesBiTransfóbicas!

 

 

QUA, 26 JUN 18H // Mulheres Indígenas

Na próxima 4.ª feira, 26 de Junho às 18h, a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta organizará uma sessão no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) em Lisboa, subordinada ao tema das Mulheres Indígenas, no decurso do nosso trabalho/activismo e atenção para com esta(s) problemática(s).

Esta foi a temática escolhida para a Agenda Feminista 2019 da UMAR na qual constam testemunhos de activistas indígenas de diferentes latitudes que nos falam sobre as suas lutas e principais desafios.

Mulheres Indígenas_26062019_

Nesta sessão destacaremos as intervenções de representantes dos colectivos GUARANI KAIOWÁ SUPPORT NETWORK, FÓRUM INDÍGENA de LISBOA e PELA DEMOCRACIA NO BRASIL sobre a situação actual dos povos indígenas do Brasil.

No âmbito deste ser o Ano Internacional das Línguas Indígenas, proclamado pela UNESCO, também não deixaremos de lado a necessidade de conscientização para a preservação, revitalização, valorização e promoção destas línguas que continuam a desaparecer a um ritmo alarmante. Esta intervenção estará a cargo de Maria Dovigo da UMAR e da Academia Galega da Língua Portuguesa.

Andressa Lopes, co-fundadora do CABE – Combate ao Assédio a Brasileiras no Exterior e técnica na Casa do Brasil de Lisboa fará a moderação.

Contamos com a vossa presença e divulgação!
Entrada livre.

Esta semana, dias 5 e 6 de Junho, teremos 2 actividades no CCIF/UMAR!

Após partilha da programação do Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) para os meses de Junho e Julho 2019 (ver post anterior) destacamos neste, as duas iniciativas desta semana 🙂

Qua, 05 Junho 18h00 no CCIF/UMAR em Lisboa “O Antifascismo e o Feminismo na Obra de Maria Teresa Horta”:

Conferência a ser proferida pela investigadora brasileira Michelle Vasconcelos sobre a obra da escritora de Maria Teresa Horta e seu entrecruzamento com as lutas feministas e antifascistas, com foco para o período entre 1971 e 1977.

MTH 03062019

 

 

Qui, 06 de Junho 18h00 no CCIF/UMAR em Lisboa “Glória e Vitória. Duas Rainhas Insubmissas”:

Esta conferencia que será proferida pela historiadora Luísa Paiva Boléo assinala do bicentenário do nascimento de ambas as rainhas.

Luisa Boleo 06062019

Contamos a tua participação e/ou divulgação!

Saudações feministas da UMAR

Programação do CCIF/UMAR para Junho e Junho 2019!

O calor aperta… mas… antes que se abra a época tradicional de férias, teremos ainda algumas actividades em Junho e Julho no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) e duas sessões do CCIF/UMAR Fora de Portas!

Ver infra o nosso folheto:

Programação ccif jun-jul 2019.Lembramos que, como em todos os anos, que não faremos qualquer pausa no Verão e manteremos o nosso funcionamento, estando sempre de portas abertas nos dias úteis e, aos fins de semana, em caso de actividades culturais pré-agendadas. O nosso centro de documentação também continuará aberto para consulta presencial e gratuita.

 

Saudações feministas da UMAR