QUI, 9 SET 18H // Rentrée das Leituras Partilhadas :) Modo presencial e online

Após a tradicional pausa de Agosto reiniciaremos na próxima 5.ª feira 9 de Setembro às 18h o nosso ciclo das Leituras Partilhadas!

E, para assinalar esta rentrée, experimentaremos um modelo híbrido: presencial, para quem puder estar connosco no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) em Alcântara/Lisboa, com ligação através de computador para quem estiver online.

Os textos trazidos poderão ser literários, cronísticos, jornalísticos, ensaísticos, entre outros. O importante é a fruição, partilha e reflexão feminista sobre os mesmos.

Para inscrição, gratuita mas obrigatória, bastará enviar e-mail para: centroculturafeminista@gmail.com

Até 5.ª feira às 18h e boas leituras!

DOM, 25 JUL 17h30 | Lançamento da Publicação Saúde Trans Independente | Rama em Flor x UMAR

No Domingo, 25 de Julho às 17h30, o Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) em Lisboa, Alcântara, acolherá o lançamento da publicação “Saúde Trans Independente” apresentado por Alice Azevedo, Dusty Whistles, Sol Duarte.

A zine é uma tradução da zine original Building Towards an Autonomous Trans Healthcare do colectivo PowerMakesUsSick.

Contando com receitas herbais, entrevistas, manifestos, informação médica ou feitiços, a zine propõe iniciar um movimento de pensamento e acção em torno de saúde e cuidados trans independente das instituições médicas e farmacêuticas que, no fundo, pouco mais sabem do que nós. É necessário reforçar os nossos conhecimentos, criar redes de apoio de saúde, dar a mão e ensinar a conhecer os nossos corpos para que nos mantenhamos saudáveis e vivas num sistema que constantemente nos omite o conhecimento sobre aquilo que tomamos e as suas consequências. Reclamamos a verdade para nós, transformando-la em estímulo para procurarmos formas melhores de existir!

A versão traduzida da zine conta com três convidadas a residir em Portugal: Alice Azevedo, Dusty Whistles e Áquilla Correia aka Puta da Silva. A zine será de distribuição gratuita, tanto em formato físico como digital.

Alice Azevedo nasceu em Lisboa em 1996. É licenciada em Estudos Artísticos, Variante em Artes do Espectáculo pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Frequenta actualmente o Mestrado em Estética e Estudos Artísticos na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa.

É activista Trans, Feminista e Queer, tendo integrado o colectivo Panteras Rosa, a Transmissão: Associação Trans e Não-Binária, entre outras experiências de desenvolvimento comunitário e político, em Portugal e em França.
É actriz, tendo integrado o GTSC – Grupo de Teatro Sai de Cena entre 2015 e 2018. Mais recentemente co-criou com a Lila Fadista a peça-video “Tágides Exemplares” para o TBA, em 2020, e integrou o elenco da peça “Top Girls”, com encenação de Cristina Carvalhal, no Teatro Nacional D. Maria II em 2021. Já foi operadora de call-center e insiste em manter isso nas suas bios.

Dusty Whistles é uma performer de drag pós-humana, carpinteira de terceira geração, curadora, e artista de práticas sociais, nascida como colona na ilha de Paumanok (Long Island, Nova Iorque). Ela é imigrante de primeira geração (pelas vias da Madeira e Venezuela) de uma família lusófona de classe trabalhadora. Dusty é autodidata nas suas disciplinas, e é-o orgulhosamente. O seu trabalho está ancorado em histórias práticas de lutas de resistência e libertação e na sua interseção com as práticas criativas. Ela tem estado envolvida na organização e ativismo em movimentos de base comunitária nos últimos 20 anos.

Residiu em Berlim durante 12 anos, sendo um membro ativo da contracultura da cidade, a nivel político e artístico. É a fundadora e curadora do Faux Real, um festival trimestral de performance arte, direcionado às comunidades trans e de mulheres em Berlim. O trabalho de dusty tem sido exposto internacionalmente nos últimos 9 anos, em instituições culturais como nGbK, Schwules Museum, SAVVY Contemporary, Volksbühne, Gemäldegalerie, Maxim Gorki Theater, Sophiensaele, e Ballhaus Naunynstrasse. Atualmente vive em Lisboa, Portugal.

Sol Duarte (ele/them), um artiste não binárie da linha de Sintra. Sol descobre-se e constrói-se em paralelo com as suas artes, que diz fazerem parte do seu corpo e das quais em momento algum deseja ser desconectado.
Expressa-se maioritariamente, mas não exclusivamente, através de desenho, pintura e vídeo, maioritariamente, mas não exclusivamente, sobre corpos, os seus e os de outres, físicos e emocionais, terrestres e extraterrestres.
Atualmente a tirar o mestrado de Antropologia Visual e a acabar a sua primeira curta-metragem, filmada durante a quarentena, sobre a sua exploração de género e o seu confronto com as expectativas que existem sobre si , desde criança até ao presente.

CCIF/UMAR – Centro de Cultura e Intervenção Feminista (da União de Mulheres Alternativa e Resposta).
Morada: R. Cozinha Económica 30M e 30N, 1300-149 Alcântara, Lisboa
25 Julho, 17h30
Entrada livre, limitada à lotação do espaço, e mediante inscrição para: ramaemflor@gmail.com 

Leituras Partilhadas Feministas… textos que nos marcam

Esta 5ª feira, 22 de Julho às 18h (PT), teremos mais sessão online do ciclo quinzenal “Leituras Partilhadas”, uma iniciativa contínua do Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR).

Os textos poderão ser literários, cronísticos, jornalísticos, ensaísticos, políticos, correspondência, entre outros… O importante é que seja uma leitura cuja reflexão nos toque do ponto de vista feminista.

Inscrições gratuitas para o e-mail: centroculturafeminista@gmail.com

Até à próxima 5.ª feira às 18h!

QUI, 1 JUL 18h // Leituras Partilhadas Feministas… Livros e textos que nos marcam

Na 5.ª feira, 1 de Julho às 18h, teremos a nossa sessão online quinzenal do ciclo feminista “Leituras Partilhadas”, uma iniciativa contínua do Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR).

Os textos poderão ser literários, cronísticos, jornalísticos, ensaísticos, políticos, entre outros… O importante é que seja uma leitura cuja reflexão nos toque do ponto de vista feminista.

Dada a proximidade desta tertúlia com o 28 de Junho, Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+, sugerimos a trazida de textos que também foquem estas problemáticas e/ou escritos por autoras LBTI.

Inscrições gratuitas para o e-mail: centroculturafeminista@gmail.com

Boas leituras!

SEX, 18 JUN 18H // Leituras Partilhadas… textos que nos marcam

Esta 6ª feira, 18 de Junho às 18h (PT), teremos a nossa sessão online quinzenal do ciclo “Leituras Partilhadas”, uma iniciativa contínua do Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR).

Os textos a serem lidos e comentados poderão ser literários, cronísticos, jornalísticos, ensaísticos, políticos, correspondência, entre outros… O importante é que seja uma leitura cuja reflexão nos toque do ponto de vista feminista.

Inscrições gratuitas para o e-mail: centroculturafeminista@gmail.com

TER, 15 JUN 21H // MULHERES NO JAZZ

A 3.ª sessão do ciclo ‘Mulheres e Música’ do Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) será dedicada ao contexto das mulheres artistas no mundo do Jazz e decorrerá já na próxima 3.ª feira 15 de Junho às 21h!

Para a realização deste evento online, contaremos com a participação de 3 fantásticas convidadas: Beatriz Nunes, Joana Machado e Sara Serpa!

BEATRIZ NUNES – Inicia a sua carreira como vocalista do grupo Madredeus, com quem grava “Essência”(2012) e “Capricho Sentimental” (2015). Em 2018 lança “Canto Primeiro”, apresentado na European Jazz Conference (CCB, 2018), distinguido como Best Jazz of September na Europe Media Chart. Em 2021 lançou em parceria com Paula Sousa e André Rosinha o disco “À Espera do Futuro” pela editora Nischo. Colaborou com vários nomes do jazz nacional como Pedro Melo Alves, Isabel Rato, Tiago Sousa, Afonso Pais, Mário Franco, Jorge Moniz e Luis Barrigas.

É professora na Escola de Jazz do Hot Clube de Portugal e encontra-se a desenvolver investigação académica acerca de jazz e estudos de género. Página: https://beatriznunesmusic.com/

JOANA MACHADO – Performer, Professora e investigadora. Nascida no Funchal em 1978, iniciou com 6 anos a sua aprendizagem musical no Conservatório. Actualmente, frequenta o Doutoramento em Artes Performativas e da Imagem em Movimento na FLUL, sendo professora na Licenciatura em Jazz e Música Moderna da Universidade Lusíada de Lisboa desde 2009, integrando também o corpo docente da Escola Superior de Dança do IPL e da Escola de Jazz de Luiz Villas-Boas (Hot Clube de Portugal).

Já actuou ao lado de artistas como Abe Rábade, Bernardo Sassetti, Chris Strik, Edu Lobo, Gary Bartz, Jamey Haddad, Jane Ira Bloom, Jesus Santandreu, Paulo Braga, Perico Sambeat, Reggie Workmann, Rembrandt Frerichs, Sara Serpa, Toon Roos, entre outros.Integra o célebre Septeto do Hot Clube de Portugal desde Dezembro de 2014, sendo a única cantora até à data.

É um dos membros fundadores e directora musical do projecto vocal feminino Elas e o Jazz, em digressão desde 2018.Foi responsável pelo projecto/ciclo “RESPECT – Una Homenagem ao Jazz no Feminino” em 2020, que contou com o apoio da CIG – Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género. Página: http://www.joanamachado.com/

SARA SERPA – Natural de Lisboa, é uma vocalista-compositora e improvisadora que implementa uma abordagem instrumental única no seu estilo vocal. Reconhecida pelo seu canto inconfundível sem palavras, Serpa está imersa no campo do jazz, música improvisada e experimental desde que chegou a Nova York em 2008.

Descrita pelo New York Times como “uma cantora com uma postura brilhante e uma visão cosmopolita”, Serpa começou sua carreira com lendas do jazz, como o pianista indicado ao Grammy Danilo Perez, e o pianista Ran Blake, do Guggenheim e MacArthur Fellow. Como líder, Serpa produziu e lançou dez álbuns; sendo o mais recente Recognition, um projeto interdisciplinar que combina cinema com música ao vivo, em colaboração com Zeena Parkins, Mark Turner e David Virelles.

Serpa faz parte do Coletivo We Have Voice, composto por 14 músicos, académicos e pensadores, determinados a promover a equidade de género nas artes cénicas.Em 2017, o coletivo criou um Código de Conduta que foi apresentado como um dos eventos da década no Jazz pelo New York Times. Em 2018, Serpa estreou “Intimate Strangers“, uma colaboração com o escritor nigeriano Emmanuel Iduma, uma performance musical interdisciplinar que retrata as viagens do escritor por vários países africanos.

Em 2020, Serpa co-criou a Mutual Mentorship for Musicians, com a colega vocalista e compositora Jen Shyu, uma iniciativa para empedrar e elevar músicos com identidades de género historicamente sub-representadas. Serpa foi eleita Vocalista do Ano pela 2020 NPR Jazz Critics Poll, Músico do Ano 2020 pela revista portuguesa Jazz.pt e Rising Star 2019 pela Downbeat Magazine Critics Poll. Serpa atualmente leciona na The New School, New Jersey City University e é Artist in Residence no Park Avenue Armory. Página; .www.saraserpa.com

INSCRIÇÕES GRATUITAS por mp ou para o e-mail: centroculturafeminista@gmail.com

Contamos convosco! 🙂

QUA, 2 JUN 18h // Leituras Partilhadas Feministas

Esta 4ª feira, 2 de Junho às 18h (PT), teremos a nossa sessão online quinzenal do ciclo “Leituras Partilhadas”, uma iniciativa contínua do Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR).

Os textos poderão ser literários, cronísticos, jornalísticos, ensaísticos, políticos, correspondência, entre outros… O importante é que seja uma leitura cuja reflexão nos toque do ponto de vista feminista.

Inscrições gratuitas para o e-mail: centroculturafeminista@gmail.com

QUI, 20 MAI 18h // Leituras Partilhadas Feministas

Esta 5ª feira, 20 de Maio às 18h (PT), teremos a nossa sessão online quinzenal do ciclo “Leituras Partilhadas”, uma iniciativa contínua do Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR).

Os textos poderão ser literários, cronísticos, jornalísticos, ensaísticos, políticos, correspondência, entre outros… O importante é que seja uma leitura cuja reflexão nos toque do ponto de vista feminista. 

Inscrições gratuitas para o e-mail: centroculturafeminista@gmail.com

Até à 5.ª feira às 18h!

Saudações feministas!

SEG, 10 MAI 18H // A Participação das Mulheres no 25 de Abril e na Construção da Democracia

Na próxima 2.ª feira 10 de Maio às 18h, decorrerá a sessão online “Participação das Mulheres no 25 de Abril e na Construção da Democracia” promovida em parceria do Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) com a Biblioteca Municipal de Alcântara, para (re)lembrar e reafirmar a importância do 25 de Abril de 1974 para os direitos das mulheres e das várias lutas que estas protagonizaram por uma sociedade mais democrática, livre e igualitária.

A oradora será Manuela Tavares, co-fundadora e dirigente da UMAR. Investigadora em Estudos sobre as Mulheres, é membro do Centro Interdisciplinar de Estudos de Género do ISCSP-UL.

Moderador: Carlos Ventura

Inscrições (gratuitas) até 09 de Maio, em: https://forms.gle/WLtS6t2cwD9bvfYZ9

SEX, 7 MAI 18H // Leituras Partilhadas Feministas… livros que nos marcam

Na próxima 6.ª feira 7 de Maio às 18h, realizaremos a nossa sessão quinzenal do ciclo feminista “Leituras Partilhadas” promovido pelo Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR).

Qualquer tipo de texto é bem-vindo, pode ser uma citação, verso, poema, artigo, romance, ensaio, notícia, manifesto, etc… O importante é a interpretação e impressões feministas que se poderão retirar do texto e sua partilha com o colectivo.

Expectantes por este fim de tarde de reunião, reflexão e fruição cultural feminista!

Inscrições gratuitas para o e-mail: centroculturafeminista@gmail.com

Após a inscrição enviaremos o link de acesso.