SEX, 20 Abril, 18h00 // 2.ª sessão do Ciclo “Gerações em Diálogo”

O Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) irá ser palco desta tertúlia entre mãe e filha, integrada no ciclo “Gerações em Diálogo”.

Alice Brito, advogada, militante política e feminista, cronista em alguns periódicos regionais e online estará em diálogo com a sua filha Ana Brito, educadora comunitária, tendo como pano de fundo os seus activismos feministas.

Alice e Ana Brito

Evento, aqui.

Esperamos por ti, vem participar na conversa, também!

Anúncios

SEG, 16 Abril 18h00 // Mulheres Que Falam De Mulheres

O livro “Mulheres que falam de Mulheres”, inserido no projecto Memória e Feminismos (UMAR), ao abrigo da pequena subvenção da CIG, contém um conjunto de trabalhos de investigação que analisam várias histórias de vida de mulheres. Estas diversas e várias histórias de vida foram recolhidas ao longo dos últimos anos pela UMAR, abrangendo múltiplas regiões de Portugal continental e ilhas.

Na próxima 2ª feira, dia 16 de Abril, às 18h, a sessão de apresentação do livro “Mulheres que falam de Mulheres” será conduzida pela responsável do projecto Memória e Feminismos, Teresa Sales e pela investigadora em Estudos sobre as mulheres, Manuela Tavares, membro da direcção da UMAR.

Entrada livre.
Saudações feministas da UMAR

QUI, 12 Abril, 18h30 no CCIF/UMAR | Corpos na Trouxa. Histórias-artísticas-de-vida de mulheres palestinianas no exílio

Na próxima 5.ª feira, 12 de Abril às 18h30 teremos​ no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) a sessão de apresentação do livro da activista palestiniana e investigadora em Estudos Feministas, Shahd Wadi “Corpos na Trouxa. Histórias-artísticas-de-vida de mulheres palestinianas no exílio” por Isabel Allegro de Magalhães, com a presença da autora.

corpos na trouxa. histórias-artísticas-de-vida de mulheres palestinianas no exílio.png

Evento, aqui. Entrada livre.

O ano de 2018 marca 70 anos desde a Nakba – a “catástrofe”, que resultou na expulsão de mais de 700.000 pessoas palestinianas dos seus lares, motivada pela criação do Estado de Israel.

A UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta é uma das organizações parceiras de uma série de encontros durante a primeira quinzena de Abril, inseridos no contexto da Semana do Apartheid Israelita (http://apartheidweek.org/), a fim de conscientizar sobre o sistema de apartheid de Israel sobre o povo palestiniano e construir apoio para o Movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS).

Semana Anti-Apartheid Israelita 2018Saudações feministas da UMAR

SEG, 9 Abril 19h00 // Feminismos Anti-Coloniais no CCIF/UMAR

HOJE, 9 de ABRIL no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR)!

Sessão sobre FEMINISMO ANTI-COLONIAL na Semana do Apartheid Israelita 2018 em Portugal, com activista palestiniana Shahd Wadi e Âurea Mouzinho do colectivo Feminista Ondjango, de Angola. IMPERDÍVEL!

Este painel visa discutir o feminismo anti-colonial, necessário para combater o machismo e o racismo em nossa sociedade atual. O foco da discussão será a luta proveniente de mulheres com origem palestiniana e angolana, unidas por um feminismo interseccional!feminismo anti-colonial na UMAR

Vídeo com imagens captadas por um drone que ilustram o massacre de Março de 2018, junto à fronteira de Israel-Gaza.

Evento, aqui. Entrada livre!

O CCIF/UMAR fora de portas! Nos próximos dias 6, 7 e 8 de Abril em Santiago de Compostela, Galiza!

Pelo segundo ano consecutivo, o Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR),  através da nossa associação, a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta, participa na organização dos Encontros Itinerantes de Mulheres da Lusofonia. Mulheres, Territórios e Memórias. Em 2017, o I Encontro de Mulheres da Lusofonia decorreu em Vilar de Santos, concelho de Ourense (Galiza) e este ano será em Santiago de Compostela, também na Galiza.

II ENCONTRO MULHERES DA LUSOFONIA (1).jpg

As entidades organizadoras do II Encontro de Mulheres da Lusofonia: Mulheres, territórios e memórias são a Academia Galega da Língua Portuguesa, a Associação Pró-AGLP, e a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta. O encontro visa criar uma rede plural feminista de mulheres do espaço lusófono, potenciando um entrecruzamento de diálogos, de experiências e de conhecimento.

O II Encontro Mulheres da Lusofonia conta com o apoio da

  • Comissão Temática de Promoção e Difusão da Língua Portuguesa dos Observadores Consultivos da CPLP
  • Concelho de Santiago de Compostela
  • Livraria Lila de Lilith – Santiago de Compostela
  • Museu do Aljube. Resistência e Liberdade – Lisboa
  • Projeto Cárcere – Corunha/Galiza
  • Marcha Mundial das Mulheres-Galiza
  • Plataforma Feminista Galega
  • Ondjango Feminista – Angola
  • Fórum Mulher – Moçambique

O programa (infra) reflete o carácter feminista, anticolonial e internacionalista destes encontros de mulheres dos países de expressão portuguesa.

A entrada é livre, sujeita a inscrição (gratuita) para mulhereslusofonia@gmail.com

PROGRAMA:

Programa II Encontro_ final

A UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta participará no painel Entre o Ativismo e a Pesquisa. Mulheres na Resistência (com a participação do nosso projeto Memória e Feminismos e no painel Feminismos no Espaço Lusófono. Estará ainda nas mesas de abertura e de encerramento.

Mais informação em: http://www.facebook.com/mulheresdalusofonia

Contamos convosco e/ou com a vossa divulgação! Obrigada!

 

SÁB, 24 Março, 15h00 // Sessão Múltiplas Discriminações: Mulheres Ciganas

Mulheres Ciganas é o tema da terceira sessão do ciclo Múltiplas Discriminações que o Projecto Memória e Feminismos da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta está a organizar ao longo de 2018 no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) em Alcântara, Lisboa.

Esta tertúlia decorrerá no Sábado, 24 de Março às 15h00 e contará com a participação de três activistas ciganas, de duas das principais associações de mulheres ciganas no país: a AMUCIP e o recente Centro ROMI.

Mulheres Ciganas 24032018

O que significa ser hoje uma mulher cigana em Portugal? Haverá diferenças na percepção do racismo, discriminação e oportunidades nestas mulheres? Será o tratamento recebido semelhante? O que falta (ou não) conquistar? Estas e outras questões relativas às identidades e direitos serão certamente abordadas neste espaço.

Entrada livre. Evento, aqui.

O CCIF/UMAR ao rubro! Eventos a não perder nos dias 13, 14 e 15 de Março.

O Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) estará ao rubro nesta semana. Iniciaremos os ciclos “Artes e Feminismos” e “Gerações em Diálogo” e acolheremos o “Newroz Party” do Festival de Cinema Curdo, do qual a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta é uma das entidades parceiras.

TER, 13 MARÇO, 18H00 // CICLO ARTES E FEMINISMOS, COM A PINTORA LENA GAL

Na 3.ª feira, 13 de Março daremos início ao Ciclo Artes e Feminismos, cuja primeira sessão contará com a participação da pintora Lena Gal. Entrada livre.

Lena Gal 13032018

QUA, 14 MARÇO, 19h00 // NEWROZ PARTY – Warm-Up do Festival de Cinema e Artes Curdas

Na 4.ª feira, 14 de Março acolheremos o evento “Newroz Party” que abre o 1. º Festival de Cinema e Artes Curdas em Portugal e que dará a conhecer muito da cultura curda (cinema, literatura, pintura e música) à cidade de Lisboa, durante o mês de Março. 

A UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta apoia este Festival cujo tema desta primeira edição são as mulheres enquanto transmissoras de valores e cultura às gerações mais novas.

Convidamos assim todas/os para celebrar o Newroz (festa da luz), onde teremos música e dança e partilharemos um lanche, assim como conversas sobre o Curdistão, as suas gentes, os seus costumes e as suas artes. Entrada livre.
Warm Up 14032018

QUI, 15 de MARÇO, 18h00 // CICLO GERAÇÕES EM DIÁLOGO, COM HISTORIADORA ALICE SAMARA E LEONOR ROSAS

Na 5.ª feira 15 de Março iniciaremos o Ciclo “Gerações em Diálogo” com a historiadora Alice Samara e sua filha, Leonor Rosas, estudante universitária. 

O objectivo deste ciclo será o de dar a conhecer, todos os meses, gerações de mulheres que se evidenciam pelos seus trajectos emancipatórios numa perspectiva também relacional, de aprendizagens e partilhas entre mulheres de gerações mais velhas e suas descendentes (filhas ou netas).

Ciclo Gerações em Diálogo 15032018

Contamos convosco e com a vossa divulgação.

Saudações feministas da UMAR!

O CCIF/UMAR no 8 de Março 2018

O Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) estará ao rubro no dia 8 de Março – Dia Internacional das Mulheres.

De manhã, entre as 10h15 e as 12h30, o CCIF/UMAR estará fora de portas! Será feita uma comunicação sobre o nosso centro no âmbito da estratégia da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta na promoção da cultura e pensamento feministas na cidade de Lisboa desde 2011.

Esta intervenção será feita por Joana Sales,  coordenadora cultural do CCIF e membro da direcção da UMAR, na sessão Comemorativa do Dia Internacional da Mulher da Escola Artística António Arroio.

28378734_2257731464240888_1122652052573388800_n

Ao final da tarde, pelas 18h00, Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR)  fará a Sessão de Homenagem “Experiências de uma luta” às ex-trabalhadoras da Triumph, recuperando a memória das trabalhadoras que ao longo da história fizeram valer os seus direitos. Recorde-se que centenas destas trabalhadoras ficaram sem trabalho este ano, com o fecho da fábrica Triumph de Sacavém, mas que elas lutaram até ao fim, num exemplo de coragem e persistência, permanecendo quase três semanas à porta da fábrica de dia e de noite, protegendo os bens que por direito eram seus.

Cartaz_homenagem

A sessão às 18h00 “Experiências de uma luta” no CCIF/UMAR é aberta ao público, mas o Jantar de Homenagem na Junta de Freguesia de Alcântara às 20h00 é um evento reservado.

A UMAR participará também nas manifestações do 8M de Lisboa (concentração às 18h no Terreiro do Paço) e no 8M de Coimbra (concentração às 16h na Praça da República). Acompanha as dezenas de iniciativas em que a UMAR está envolvida por todo o país no nosso facebook.

POR UM 8 DE MARÇO FEMINISTA E UMARISTA!

QUI, 01 MAR 18h00 // Apresentação do livro de Maria Antónia Palla “Só Acontece aos Outros. Histórias de Violência” pela escritora Inês Pedrosa

Fevereiro está a acabar mas iniciamos o novo mês de Março com várias actividades!

Esta quinta-feira, dia 1 de Março às 18h00 terá lugar no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) a apresentação do recentemente reeditado livro histórico de Maria Antónia Palla, “Só Acontece aos Outros. Histórias de Violência”.

A apresentação estará a cargo da escritora Inês Pedrosa e contará com a participação da autora.

apresentação do livro só acontece aos outros. histórias de violÊncia

A obra publicada pela Sibila, é uma reedição do livro publicado pela Bertrand em 1979 e que se tornou numa referência dos feminismos em Portugal, pela forma como deu a conhecer a violência cometida contra mulheres e crianças no país. Uma compilação de reportagens, casos reais recolhidos antes e depois do 25 de Abril, publicados n’O Século Ilustrado nos anos 1970.

A impressionante actualidade dos temas e casos abordados faz-nos reflectir sobre (a lentidão d)as mudanças sociais.

A entrada é livre.

SEG, 26 FEV 18h00 // Sessão Múltiplas Discriminações: Mulheres Imigrantes

Na próxima semana, 2.ª feira 26 de Fevereiro às 18h00, teremos no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) a segunda sessão do ciclo “Múltiplas Discriminações” do Projecto da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta, Memória e Feminismos, sobre Mulheres Imigrantes.

As convidadas são quatro mulheres imigrantes em Portugal, de regiões representativas de grandes vagas imigratórias para o país: América do Sul, África (PALOP) e Leste Europeu.

As intervenientes serão:

  • Carla Fernandes, jornalista, fundadora do RádioBlog Afrolis em 2014;
  • Cyntia de Paula, psicóloga comunitária, Presidente da Casa do Brasil de Lisboa;
  • Alina Dudcó, Presidente da associação Kalina – Associação dos Imigrantes de Leste;
  • Patrícia Peret, advogada especialista em direito migratório e direito civil.
    ImigrantesCCIFUMAR

Um debate a não perder. Ver evento.

Entrada livre.