SEG, 22 ABR 18h // Bauhaus: as mulheres que ficaram esquecidas

No mês em que se comemora o centenário da fundação da lendária Bauhaus em Weimar, a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta pretende assinalar este marco sob a lente feminista, com a sessão “Bauhaus: as mulheres que ficaram esquecidas” no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR).

Esta sessão versará sobre as mulheres que ficaram esquecidas, apesar dos seus contributos de vanguarda que influenciaram a arte no século XX.

Apresentação por Teresa Sales, licenciada em história da arte e coordenadora de projectos na UMAR na área da memória feminista.

T Lux Feininger Bauhaus-Archiv Berlin. Estate of T Lux Feininger(Foto: T Lux Feininger Bauhaus-Archiv Berlin/ Copyright: Estate of T Lux Feininger)

Na foto supra, as mulheres da oficina de tecelagem da Bauhaus na escadaria do prédio da Bauhaus de Dessau em 1927.

Evento, aqui. Entrada livre.

Anúncios

TER, 16 ABR, 18h // Feminismos Emergentes

Na próxima 3.ª feira , 16 de Abril pelas 18h00 teremos no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) em Lisboa, Alcântara, acolherá uma tertúlia com jovens activistas feministas de diferentes quadrantes emancipatórios.

Esperamos que este encontro seja o primeiro de uma série, para a conhecer melhor a vitalidade dos actuais movimentos feministas.

feminismos emergentes-4Entrada livre.

SÁB, 23 MAR, 15h00 // Encontro com Trabalhadoras Domésticas e de Limpeza

No próximo Sábado, 23 de Março às 15h, a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta organiza no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) em Lisboa, mais uma sessão do ciclo “Múltiplas Discriminações II” dedicada à problemática das trabalhadoras domésticas e da limpeza.
Contará com a participação do investigador Manuel Abrantes e destas profissionais, como Esmeralda Mateus, Margarida Coelho e Cláudia Canto, autora brasileira do livro “Morte às Vassouras”, que intervirá por skype.

Trabalhadoras domésticas e de limpeza
Entrada livre.

Evento, aqui.

Uma iniciativa do projecto da UMAR “Memória e Feminismos: Múltiplas Discriminações II” com o apoio da pequena subvenção da CIG – Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género.

SÁB, 16 MAR, 15h30 // Masculinidades cuidadoras – uma revolução necessária?

Este ano, em celebração do Dia do Pai, a Associação Portuguesa pelos Direitos da Mulher na Gravidez e Parto (APDMGP) em parceria com a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta, propõe um encontro sob o tema ‘Masculinidades cuidadoras – uma revolução necessária?’.

Uma sessão de reflexão e debate, considerando a necessidade da libertação dos homens dos estereótipos que os condicionam e limitam a sua liberdade individual e o estabelecimento de relações igualitárias entre os géneros.

A entrada é livre, mediante inscrição, em: https://goo.gl/forms/e292WIqGpvdDdPuh1 

Será servido um lanche após o debate. Lugares limitados.                                                                  52716945_2288803178071648_2774566323668123648_n
ORADORA
Susana Atalaia é investigadora no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS-ULisboa) e membro do Observatório das Famílias e das Políticas de Família (OFAP). É doutorada em Ciências Sociais, especialidade Sociologia Geral, pelo ICS-ULisboa (2012), com uma tese sobre a parentalidade em contexto de recomposição familiar, onde analisa o lugar do padrasto.  Entre 2014 e 2016 participou no projecto “Men’s Roles in a Gender Equality Perspective”, financiado pela EEA Grants e promovido pela CITE.            É co-autora do LIVRO BRANCO Homens e Igualdade de Género em Portugal (2016) e do capítulo de livro “Why are caring masculinities so difficult to achieve? Reflections on men and gender equality in Portugal” (2018).

PAINEL DE DEBATE

Susana Atalaia – socióloga e investigadora (biografia acima).

Nuno Pires – pai a tempo inteiro, co-facilitador dos Positive Birth Movement Penafiel e Porto e associado efectivo da APDMGP.

Ricardo Loureiro – sociólogo no Observatório Europeu das Prisões/ISCTE-IUL e Técnico Superior no POISE. Com intervenção profissional, associativa e activista em questões de igualdade de género, não discriminação e direitos humanos.

Moderação: Isabel Valente, associada fundadora da APDMGP.

                                                                    

PROGRAMA
15:30 – 15:40 Boas-vindas
15:40 – 16:25 Intervenção de Susana Atalaia
16:25 – 17:10 Painel de debate
17:10 – 17:30 Lanche

Evento, aqui

 

O CCIF/UMAR Fora de Portas! Sessão Assédio Sexual na Biblioteca Ana de Castro Osório

Na próxima 5.ª feira, 28 de Fevereiro às 18h00 na Biblioteca Ana de Castro Osório, inserida na Biblioteca Municipal de Belém (Rua da Junqueira, 295 – Lisboa) o Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR), no âmbito desta parceria, organizará uma sessão sobre assédio sexual.

Participarão duas dirigentes da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta, Ana Beatriz Rodrigues e Joana Sales, que intervirão sobre a problemática do assédio sexual e o papel de movimentos feministas para a desocultação e combate a este flagelo.

Ana Beatriz Rodrigues, de Coimbra, é bióloga e activista feminista no núcleo da UMAR em Coimbra. É uma das autoras do Estudo Preliminar da UMAR contra o Assédio Sexual em Contexto Académico, divulgado em 2018.

Joana Sales, coordenadora do CCIF/UMAR tem desenvolvido activismo feminista nesta área, tendo sido técnica no projecto da UMAR “Assédio Sexual. Quebrar Invisibilidades. Construir uma Cultura de Prevenção e Intervenção”.

assedio sexual

A moderação estará a cargo da mestranda no ISCTE-IUL Sara Lee Almeida.

Evento, aqui.

Entrada livre.

SÁB, 2 MAR, 14h30 // Múltiplas Discriminações: Mulheres Negras e Afrodescendentes

No próximo Sábado, 2 de Março às 14h30, organizaremos a sessão Mulheres Negras e Afrodescendentes no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) com as activistas feministas negras: Joacine Katar Moreira, Lúcia Furtado, Maria Fernandes e Shenia Karlsson. Moderação por Maria Dovigo da UMAR.

MÚltiplas discriminações_mulheres negras

Esta sessão decorre no âmbito do projecto da UMAR “Memória e Feminismos: Múltiplas Discriminações II” com o apoio da pequena subvenção da CIG – Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género.

Entrada livre.

QUI, 21 Fev, 18h // Lançamento do livro “Seminário Múltiplas Discriminações”

Na próxima 5.ª feira, 21 de Fevereiro pelas 18h00 a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta lançará em Lisboa, no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR), a publicação “Seminário Múltiplas Discriminações”.

Este livro reúne textos escritos por activistas, representantes associativas e investigadoras/es na área das múltiplas discriminações e interseccionalidades, recolhidos no decurso do projecto da UMAR, Memória e Feminismos: Múltiplas Discriminações, desenvolvido em 2018.

A apresentação estará a cargo da Presidente da CIG – Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, Teresa Fragoso, entidade que financia este projecto.

Apresentação Livro Múltiplas Discriminações 21022019

Entrada livre!

SEX, 15 de Fev, 18h00 // Leitura colectiva de poemas de Maria Teresa Horta.

Na próxima sexta-feira, 15 de Fevereiro o Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) organizará uma sessão de leitura colectiva de poemas da escritora e poetisa feminista Maria Teresa Horta.

leitura colectiva

Vários livros da autora estarão sob a mesa e, o difícil, será escolher!

Ver aqui, selecção de 18 poemas da autora.
Entrada livre.

SÁB, 26 JAN às 15h00 // Mulheres excisadas em França: a reconstrução da genitália

Esta sessão “Mulheres excisadas em França: a reconstrução da genitália” no Centro de Cultura e Intervenção Feminista (CCIF/UMAR) vem na esteira de um longo percurso de intervenção da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta nesta área específica e contará com a participação da activista francesa contra a mutilação genital feminina, Adia Sakira, que abordará a situação das mulheres submetidas a esta prática no contexto dos processos de reconstrução da genitália neste país.

mgf_26 jan final

Envolvida há mais de 10 anos em projectos de serviço social, animação e educação popular em França, Adia Sakira, acompanha jovens na construção de seu projecto profissional.

Também é activista sobre as questões da igualdade de género e no combate e prevenção da mutilação genital feminina.  Faz parte da Associação «Excision, Parlons-en!» (Paris – França) http://www.excisionparlonsen.org/

*A oradora falará em francês e haverá tradução em português.
Entrada livre.

SÁB, 19 JAN, 17h30 no CCIF/UMAR // Lançamento de livro em homenagem à Prof.ª Lígia Amâncio

No sábado 19 de Janeiro às 17h30 no Centro de Cultura e intervenção Feminista (CCIF/UMAR) em Lisboa, será lançado o livro “Lígia Amâncio: o género como ação sobre o mundo” em homenagem à Prof.ª Lígia Amâncio.

Esta publicação é organizada por João Manuel de Oliveira e Conceição Nogueira, contando com capítulos de Jorge Correia Jesuíno, Teresa Joaquim, Maria do Céu da Cunha Rego, Maria do Mar Pereira, Manuela Tavares, Rosa Cabecinhas, Jorge Vala, António Manuel Marques, Abílio Oliveira, Maria Helena Santos, Fátima Rodrigues e Emília Fernandes.

Edição do Centro de Investigação e de Intervenção Social (CIS-IUL).lígia amâncioLígia Amâncio, aposentada desde 2018, foi Professora Catedrática do ISCTE, no Departamento de Psicologia Social e das Organizações.

A sua carreira de investigação marcou o início dos estudos de género em Portugal, tendo-se centrado no estudo dos processos de construção social do masculino e do feminino e das suas implicações para a discriminação baseada no género, com particular destaque para a integração das mulheres em profissões de visibilidade pública e qualificadas, como a política, a ciência e a medicina. Autora de vasta obra, entre as quais, “Masculino Feminino: A Construção Social da Diferença”, Porto, Edições Afrontamento, 1998 (2ª ed).

Foi Presidente da APEM – Associação Portuguesa de Estudos sobre as Mulheres (1993-1995), Presidente da CIDM – Comissão para a Igualdade e para os Direitos das Mulheres (1996-1998) e Vice-Presidente da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (2006-2012)

A não perder!

Entrada livre.